O professor Nelson chegou para dar aula na manhã deste sábado na escola do bairro Pântano do Sul.

Não encontrou nenhum aluno.

Greve? Algo grave teria acontecido? 

A dúvida não durou muito tempo. O professor Nelson descobriu que muitos de seus alunos da oitava série estavam ajudando a puxar a rede repleta de tainhas na praia.

Isso mesmo. Elas, as tainhas chegaram…

Foi legal ver a alegria estampada no rosto de muitos pescadores artesanais.

As tainhas chegaram finalmente, quase um mês depois do início da pesca. Dias atrás, qualquer pescador falava com preocupação, com receio, com pavor de perder o que chamam de “décimo terceiro”. 

Na melhor época do ano, o mar não está para peixe. Ou melhor, não estava.

O medo dos dias anteriores deu lugar aos sorrisos e devolveu a esperança de que a temporada seja boa e que os peixes se multipliquem…

Mais do que um lanço de tainha, hoje os pescadores fizeram um “lanço de alívio”…

 

O professor Nelson não foi à praia ralhar com seus alunos que mataram aula para puxar rede.

Ele fotografou, conversou e participou da primeira grande captura de tainhas em 2010.

Foi embora feliz.

E claro, com uma tainha nas mãos.

No responses yet

  1. Adorei o texto!
    Sábado foi a primeira vez que vi tantas tainhas na areia, na Lagoinha, e fiquei muito espantada com a quantidade. Como vc coloca, é realmente lindo ver a alegria estampada no rosto dos pescadores.
    Abraço,
    Michelle.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Share via
Copy link
Powered by Social Snap